Boas-Vindas

Amigos,
Esta é uma net-expressão da
QUINTA DA BORRACHA, vocacionada para os que têm a felicidade de a conhecer, e não só..., que permite partilhar e divulgar as suas actividades e belezas naturais, comentar assuntos e publicar intervenções.
Um local livre, que não faz bem nem mal, antes pelo contrário, mas que pode dar muito ... tanto quanto todos quisermos dar.

Todas as fotos de natureza foram obtidas na própria Quinta
Convido-vos à leitura ansiolítica e ao comentário...

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Associação Académica da Amadora

Um novo poema-resposta do amigo M. (poema já conhecido num pequeno grupo de amigos) e que agora fica aqui publicamente disponível.






















É um hino aos atletas, treinadores, seccionistas, adeptos e amigos que ao longo de cerca de 20 anos acompanharam uma Equipa (sim, Equipa com letra grande) que soube colocar a paixão e a amizade acima dos interesses financeiros e do prestígio proporcionado pelos (ditos) grandes Clubes.
É ainda um louvor a todos os adversários (e amigos) que dessa forma contribuiram para a valorização pessoal e desportiva desses anos de magia e de felicidade.












É pois, com muito prazer que aqui se publica esta obra simples, como todos nós, mas recheada de uma sólida vivência, de muitas alegrias e algumas tristezas, mas acima de tudo de muita amizade e amor ao desporto e ao Grupo.

"Para que a memória dos homens nunca esqueça e a História da Humanidade se encarregue, um dia, de dar a conhecer aos pintos vindouros a forma como estes galos, que também foram pintos, espalhavam o seu perfume pelos pavilhões deste país e do mundo.Cá vai então!

ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA AMADORA

"Apalpa-lhe a bilha! Olé!"

Gritava a malta com ardor
Naquelas tardes de Andebol
Que eram jogadas com amor

Era o Miguel e o Luís Claro
Mais o Arinto e o Semião
Com o Paulo Carvalho e Tomás
Davam ao jogo emoção

O Botelho e o Pedro Santos
Com o Luís Teca e o Hermínio
Mais o Humberto e o Rui Teixeira
Na baliza tinham domínio

O Eduardo e o Dantas

A bascular, eram certeiros
O Manel Couceiro e Arménio
Disparavam os seus morteiros

O Víctor Armando e o Celso
Tinham boa pontaria
Ao Víctor Soares e Jorge Claro
O adversário nunca fugia

Havia o Bertinho e o Pais
Mais o Rui Roseiro e o Duarte
Juntamente com o Miguel Fernendes
Punham no jogo a sua arte

O Veloso lançou as sementes
Que o João Paulino fez crescer
O Margarido e muitos outros
Vieram, os frutos colher

O Zé Fernandes e o Bizarro
Dois grandes pivôs da secção
Com o Chico Banana e o Machado
Deram a alma e o coração

Também a claque feminina
Que não parava de cantar

"Xi bóbó xiribiri biri bó"
Ajudava a equipa a ganhar

Com estes nomes e outros mais
Se pronuncia campeão
O futuro não vai esquecer
Quem fez do Andebol paixão

P.S. Posso-vos garantir que todos estes galos cantavam com os olhos fechados, porque também eles já sabiam a música de cór.
M.R. - 16 de Outubro de 2007 21:49"

3 comentários:

DC disse...

Geração de Ouro da Académica da Amadora sem dúvida alguma

Anónimo disse...

intiresno muito, obrigado

pastormario disse...

Pois é ... o tempo passa ...