Boas-Vindas

Amigos,
Esta é uma net-expressão da
QUINTA DA BORRACHA, vocacionada para os que têm a felicidade de a conhecer, e não só..., que permite partilhar e divulgar as suas actividades e belezas naturais, comentar assuntos e publicar intervenções.
Um local livre, que não faz bem nem mal, antes pelo contrário, mas que pode dar muito ... tanto quanto todos quisermos dar.

Todas as fotos de natureza foram obtidas na própria Quinta
Convido-vos à leitura ansiolítica e ao comentário...

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

As folhas do final do Outono

Este ano as folhas perduraram nas árvores mais tempo e só agora, nas últimas semanas, começaram a cair, deixando um manto de vegetação que vai secando e dançando ao vento.





As folhas, depois de trituradas, são uma óptima base para o composto ou simplesmente para serem de novo entregues directamente à terra para seu alimento natural.



Assim se recicla e promove a vida vegetal e se cria igualmente ambiente para o desenvolvimento e alimento de muita vida animal, gerando um ciclo de equilíbrio ecológico que tanto precisa de ser preservado.

3 comentários:

Anónimo disse...

Não há dúvida de que o contacto com a natureza nos leva a observar certas coisas que, de outro modo, nos eram totalmente indiferentes.
Ao partilhar da tua opinião, também acho que é na mutação cíclica da natureza que acenta o equilíbrio que todos nós necessitamos para, todos os dias, acordarmos com o olhos postos no horizonte e a sorrir para a vida.
Como a seguir ao Outono vem o Inverno que é, sem dúvida, o período que a mãe natureza escolheu para pôr à prova as capacidades de todos os seres vivos mas, ao mesmo tempo, tão necessário para lhes fornecer as reservas que vão garantir a sua sobrevivência, aqui envio mais umas linhas.

INVERNO

O Sol arrefece, caem as folhas
Nuvens cinzentas cobrem o céu
É prenúncio do final de um ciclo
É o Inverno estendendo um véu

Árvores nuas dormem ao frio
Erguem os braços numa oração
Sabem que o Ser que tudo controla
Manterá quente o seu coração

Caminham em passada estugada
Porque os dias escurecem cedo
O tempo é curto para viverem
E a invernia traz-lhes o medo

Ao menor sinal ficam alerta
Quando pressentem o temporal
Sozinhas enfrentam o perigo
E sonham com a vida imortal

Agradecem à mãe natureza
O novo ciclo da esperança
Porque no rebentar da folhagem
Vai a chuva e vem a bonança

Em coro, cantam a Primavera
A seiva corre com mais calor
Brotam as flores e cantam as aves
De novo o Sol no seu esplendor

Um abraço

Anónimo disse...

Repto a Tx ^^
Como eu sei que tu já sabes que eu sei quem tu és, pergunto-te minha linda e formosa águia: Por onde tens andado?
Nunca mais nos deste o prazer de apreciarmos os teus vôos, sempre, tão airosos.

Até sem métrica e sem rima
Se escreve as nossas emoções
Ao grafar o que nos vai na alma
Aquecemos outros coraçõs

Para ti, um grande xi-coração
Fico à espera!

Tx ^^ disse...

Nenhuma águia voa
Para muito longe do ninho
Nem alguma águia se esquece
Daquilo que a mentem pertinho.

Apesar do trabalho a manter longinho
Aguia nenhuma vive sem voar
Sao estes poemas que a mantêm viva,
Sao estas conversas que a fazem continuar.

Está a ser dificil seguir o passo
Mas uma águia nao desiste
Uma águia vai até ao fim
Uma águia resiste

Entre projecto e geometria
Os poemas ficam-se pelo ar
Pensando que ninguem se lembraria
Da falta que poderiam dar

E talvez nao haja falta
De mim há apenas esperança
Que tenha tempo para contar
o que nao vem na historia da exuberancia:

Historia da cultura e das artes
Mais o portugues
E até o desenho que nao se divide por partes
É melhor que ter ingles.

Só me resta teoria
Mas mesmo esta nao ajuda
Ocupam-me a semana de tal forma
Que desespero..Alguem me acuda!

É por isso que a águia
Se tem apartado um pouquinho
Mas nao se esquece deste canto
A que tem um enorme carinho

Peço desculpa a minha ausencia
Mas este ultimo ano esta a ser dificil
Apesar da fama, uma nota nao vem sozinha.
Ha que dar-lhe forma
Tentarei dar novas entradas o mais cedo que possa.

Beijos para o M. que tem sido um heroi sobre página branca.